segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Um poema delicioso em que fala a preguiça




Fala a preguiça

Eu gosto tanto, tanto, tanto

de estar quieta, muito parada, de fazer nada, coisa nenhuma,
e de fazer isso, que é não fazer
e de não estar, não ir, também.
Eu cá faço nada e todos me dizem
Que faço isso muito bem.

Faço arroz de nada, pudim de nada
(que não é nada, , já se está a ver)
e é tudo muito bom, delicioso
só por não se preciso fazer.

Eu faço nada, sou um nadador,
mas não daqueles que nadam mesmo,
o que é cansativo, tão maçador;
é que nadar, cá para mim,
tem um defeito insuportável:
aquele erre que está no fim.

E não me digam que não faço nada
porque eu faço isso o mais que posso
se não faço mais é porque mesmo nada
fazê-lo muito é uma maçada.

Não quero ir. Ainda é cedo.
Que pressa é essa? Não pode ser!
Deixem-me estar porque hoje eu tenho
bastante nada para fazer.


Álvaro de Magalhães

Saibam mais sobre este escritor português AQUI

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...